#MEMÓRIA “Convênios preservam história das comunidades tradicionais, indígenas, e quilombolas da Pará-Maranhão”

 A Universidade Federal do Pará – UFPa/Campus de Bragança assinou na manhã desta terça-feira (7/6)  dois termos de cooperação técnica, sendo, o primeiro, com o Tribunal de Justiça do Estado do Pará; e o segundo, com a Fundação Nacional do Índio.
A cerimônia ocorreu na manhã desta terça-feira (7/6), no auditório do Fórum da Comarca do Município de Bragança, com a presença de dezenas de Tembé, e estudantes da Faculdade de História da UFPa.
A ação integra a programação nacional da Semana de Arquivos que dá visibilidade às atividades desenvolvidas atualmente pelo Projeto de Extensão “Preservação documental e organização do acervo do Fórum de Bragança”.
Os convênios garantem a salvaguarda da documentação judiciária do Arquivo Histórico do Fórum de Bragança pelo Laboratório da Faculdade de História da UFPa; e o tratamento e a catalogação da documentação relativa ao período de existência do Serviço de Proteção ao Índio (SPI) – a primeira agência estatal a tratar da questão indígena no país.
Pesquisas desenvolvidas pelo grupo de estudos interculturais Pará-Maranhão (GEIPAM) , Museu do Índio/Fundação Nacional do índio – FUNAI, UFPa estão na base destas ações.
De acordo com pesquisadores e historiadores presentes à cerimônia – e que se revezaram nas falas da mesa – uma nova História poderá ser (re)escrita sobre o nomadismo, o trânsito, as dinâmicas, e complexidades das comunidades indígenas que compõem a Pará-Maranhão.
O evento continua esta tarde, com a exibição do documentário “Les Tembé”, produzido pela Rataf Association (Francia) em parceria com a Universidade Federal do Pará, Campus de Bragança, que retrata aspectos da vida cotidiana dos Tembé, povo indígena que habita as margens dos rios Guamá e Gurupi, no nordeste paraense. E amanhã os estudantes de História vão mostrar o resultado de suas pesquisas nesta área de memória.


Fonte© #TRIBUNADOSALGADO
Tecnologia do Blogger.