#PPA-2018/2021 “Mais lamentação que propostas, e mais crianças que adultos caracterizam audiência pública em Bacuriteua”

A terceira audiência pública do Plano Plurianual Municipal (PPA - 2018/2021) mais serviu para ouvir lamentações de velhos e já conhecidos problemas – para os quais a comunidade quer soluções imediatas – do que para a apresentação e debates de propostas estratégicas para Bragança.
Realizada na Escola Raimundo Martins, a sessão de 31 de maio contou com cerca de 60% de adolescentes e crianças, a maioria dos quais liberados das aulas na própria escola na qual se realizou a audiência, sendo, os restantes 40% divididos entre servidores públicos municipais e poucos cidadãos da comunidade.
Entre os “falantes”, além da mesa que sempre tem mais espaço que o povo nestas ocasiões, cerca de cinco pessoas apresentaram problemas e dessa forma contribuíram com os debates do PPA, entre estes um empresário do setor hoteleiro de Bragança/Ajuruteua, um líder da Pastoral da Paróquia do Perpétuo Socorro, e uma liderança comunitária de Bacuriteua.
Mas isso em nenhum momento arranha os méritos da secretaria de planejamento e coordenação geral, organizadora das dez audiências públicas, que começaram no dia 24 de maio, e prosseguem até o dia 25 de junho, em diversos bairros e comunidades (as audiências ocorrem às quartas-feiras na zona urbana e nos domingos, nas zonas rurais).
O PPA estabelece os projetos e os programas de média e longa duração do governo, definindo objetivos e metas da ação pública para um período de quatro anos, sendo, portanto, a principal ferramenta para a implementação do planejamento na gestão municipal, razão pela qual torna-se mais do que necessária a participação responsável do cidadão.
De acordo com técnicos da secretaria de planejamento do governo do Pará, o PPA é uma justaposição das propostas de governo defendidas em campanha pelo atual prefeito com os anseios da comunidade, que são filtrados nestas audiências públicas, comprometendo-se os agentes públicos em elaborarem com linguagem técnica as propostas populares, articulando-as com as metas da gestão preconizadas em campanha.
Uma vez elaboradas as propostas, as mesmas serão submetidas á Câmara Municipal, até final do mês de agosto, quando, até lá, a Casa de Leis terá uma nova presidência, já que o mandato da vereadora Irene, reeleita presidenta, encerra no final deste semestre.

                                                  Fonte © #TRIBUNADOSALGADO


Tecnologia do Blogger.