#CRIMES “Em 10 anos, 103 mortes e apenas 2 mandantes condenados nos 304 processos de homicídios no Pará”

O Governo do Pará será denunciado à Organização dos Estados Americanos – OEA pela omissão diante dos conflitos agrários no Estado.
Esta semana na sede da CNBB, advogados e lideranças da OAB, CPT, ALEPA, FETRAGRI e MST denunciam a impunidade e a ausência de políticas públicas, que segundo eles, têm sido reduzidas.
De acordo com Ulisses Manassas, líder do Movimento dos Sem Terra no Pará, a extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário e a demissão da Comissão Nacional de Conflitos Agrários prejudicou a ação do Estado e fragilizou as políticas setoriais.
Dados da CPT revelam que em dez anos, o Pará lidera no número de mortes no campo, com 103 registros, seguido de Rondônia, com 66, e Maranhã, com 44.
Ano passado, foram identificados 1079 conflitos em todo o país, o mais alto dos últimos 32 anos que este levantamento é realizado.
Ao todo trinta pessoas já morreram vitimadas por conflitos pela posse da terra, no Brasil.
A presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura, Ângela Jesus, diz que a PM não tem estrutura para proteger as lideranças ameaçadas de morte e nem para investigar os crimes no campo.
Ela afirma que as delegacias estão sucateadas e com carência de efetivo, ficando o cidadão sem ter como recorrer ao Estado para garantir a sua segurança.
Fontes da Segup  informaram que cerca de 50 lideranças são protegidas pelo Estado.
Existem, entretanto, 30 ouvidorias regionais, além das delegacias agrárias.
Em 10 anos, foram 304 processos por homicídio, com 11 casos julgados, e apenas 2s mandantes condenados.


                               Fonte © #TRIBUNADOSALGADO (Com informações do G1)
Tecnologia do Blogger.