#ALAB “Novos acadêmicos são empossados em meio a crise ética”



Em 1940, uma eleição na Academia Brasileira de Letras opõe as forças da cultura ao obscurantismo nazifascista, fato revelado por Jorge Amado, que reconstituiu com acidez crítica e irônica aquele momento crucial da história brasileira na obra “Farda, fardão, camisola de dormir”.
Ainda hoje, muita gente se pergunta para que serve uma academia de letras, mas, imagine duas, porque Bragança é sede de duas academias de letras, a ALAB – Academia de Leras e Artes de Bragança, e a ALB, Academia de Letras do Brasil – Seccional Bragança.
O Município, portanto, tem apenas uma academia, a ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DE BRAGANÇA, ALAB, que nasceu aqui e tem como foco a literatura.
A outra academia, a ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL – SECCIONAL BRAGANÇA, é nacional, com representação, local, e cujo foco é, para além das letras, a cultura e forma global.
Mas, as suas academias, entretanto, foram fundadas pela mesma pessoa, o professor José Ribamar Oliveira, que saiu da ALAB para se dedicar à ALB, onde hoje é presidente regional.
O que faz uma Academia e ao que ou a quem ela serve ou deve servir, em tese, isso deve ser questão pautada pelos acadêmicos que se interessam em agir na sociedade em que habitam e produzem.
Há diversos textos e obras sobre o papel social de uma Academia de Letras, basta que o pesquisador se interesse em aprofundar suas buscas por conhecimento.
As academias são legais, têm estatutos, regimentos, normas e regras, que devem ser minuciosa e rigorosamente observadas, de forma a que sejam evitadas as fraudes, tão comuns entre os simples mortais.
Há cerca de dois anos, o professor e escritor e economista Fernando Augusto Prudente Vieira foi conduzido à presidência da ALAB, mas, depois de golpeado, decidiu tornar público o que ele considerou numa fraude.
Fernando se municiou de documentos diversos e questionou o porque de alguns determinados acadêmicos usarem a nome da ALAB em benefício próprio e à revelia das normas estatutárias da Instituição, razão pela qual ele solicitou sua saída da academia, sem ter ao menos conseguido assumir a gestão.
Em seu lugar, foi indicado o radialista Celso Leite, que, mesmo tendo aceitado o cargo, também não chegou a assumir a presdência da entidade, exatamente, em uma altura em que ele próprio sequer havia sido empossado acadêmico, portanto, nem poderia vir a ser presidente.
Sem responder as questões levantadas pelo professor Fernando, qeu nos entregou um envelope com diversas cópias de documentos que comprovam suas denúncias contra dirigentes da instituição, a ALAB amargou um ostracismo, distante da própria realidade do Município no qual nasceu.
Neste sábado (11/3), entretanto, a ALAB mais uma vez fez sessão, e empossou novos acadêmicos, sem, entretanto, fazer nenhum chamado em edital público onde os concorrentes interessados pudessem observar quais os critérios de elegibilidade.
Ao não abrir edital para o preenchimento de vagas, conforme mandam as leis da transparência pública, o fato é que a ALAB compromete a sua própria história e de quebra ainda arranha a imagem de seus acadêmicos e da prórpia ALB.
E na sessão do dia 11/3, ninguém da família da imortal CIRENE MARIA DA SILVA GUEDES, que ocupava cadeira nesta ALAB, e cuja vaga, aberta, parece ter sido preenchida, chegou a ser contatado para se fazer presente na cerimônia.
Não sei o que preveem o Regimento Interno e nos estatutos da ALAB, mas suponho que estes instrumentos preveem o rigor do rito acadêmico, e a responsabilidade com as instituições públicas.
De todo o caso, penso ser inadmissível que interesses particulares predominem sobre os coletivos e que a própria marca #BRAGANÇA seja usada em benefício próprio.



Fonte © #TRIBUNADOSALGADO
Tecnologia do Blogger.