#BRAGANÇA “O passo atrás de Lobão e a Lei de Gerson” (Análise política de Francisco Weyl)

Bragança > 06/08/2016

A vereadora Socorro Lobão resolveu não arriscar a sua candidatura solo e se aliou ao atual gestor (o Padre) em sua campanha a reeleição.
Com a sua saída do páreo, restam, além do Padre, os candidatos Raimundão, Gerson, Edson.
Ao observar este cenário ouso dizer que o Padre não será reeleito.
Ele não governou com o povo nem foi nada transparente.
Gastou dinheiro no trivial, quando deveria fazê-lo em política pública.
Incapaz de comunicar o pouco que fez, deixou a gestão à deriva.
Raimundão tem apoio político e dinheiro.
Resta saber se transformará isso em densidade eleitoral.
Edson Oliveira concorre de teimoso.
Vai ter de enfrentar diversas ações neste percurso.
Sua candidatura é forte, até poderá ser eleito.
Mas seu governo será engessado por contas das pendências judiciais.
Essa fragilidade dos dois candidatos pode ser boa para o Padre.
Até porque eles também dividem os próprios votos em função do arco de suas alianças partidárias que disputam votos nos mesmos distritos eleitorais.
Mas tanto Edson quanto Raimundão lideram as consultas não-científicas.
O Padre vem lá embaixo.
E aqui surge o fator Gerson.
Ou a Lei de Gerson, a Lei da Vantagem.
Advogado e radialista, ele tem experiência com a atividade pública e popular.
Se souber conduzir a sua campanha na mídia, principalmente nas redes sociais, avançará e conquistará a vitória.
Eu avalio que apenas Socorro Lobão como cabeça de chapa seria páreo para o Gerson.
Aliás, eles dois até que comporiam uma boa chapa, juntos.
Mas vêm em separados, e a saída de Socorro do páreo deixa esta lacuna para Gerson.
E ele tem que aplicar a Lei da Vantagem.
E tirar proveito disso.

Fonte © #TRIBUNADOSALGADO
(Texto opiniativo  do jornalista Francisco Weyl, diretor e editor da #TS)
Tecnologia do Blogger.