Futebol bragantino vai mal das pernas



Não foi apenas a humilhante derrota de sete a um para a Alemanha que deixou cabisbaixo o futebol bragantino. Dois fatos recentes revelam que a falta de apoio direto do poder público e do setor empresarial são golpes quase mortais no esporte local. A Prefeitura retirou o apoio que concedia ao Bragantino Clube do Pará e do mesmo modo adiou sem remarcar data a final da Copa dos Caetés, alegando o velho motivo da falta de dinheiro.








Caetés - Quando lançou esta Copa, no dia 6 de abril, a Secretaria de Cultura e Desporto de Bragança prometeu uma premiação de R$ 3 mil reais ao campeão, e R$ 2 mil, ao segundo colocado da primeira divisão. A “segundinha" também seria premiada, com R$ 1 mil reais, ao campeão, e R$ 500, ao vice-campeão.


A competição começou no dia 12 de abril e previa um total de 37 jogos, realizados aos finais de semana, que é quando os atletas podem se deslocar com mais facilidade para as comunidades que sediam os jogos. Prevista para 4 de julho, a final não aconteceu. Treme Clube e São Domingos tinham tudo para protagonizar - no campo do Paroquial - a decisão da Copa dos Caetés. O São Domingos vinha de uma vitória sobre o Pedreirense da Caratateua, que jogava em casa. O S. Domingos ganhou de 4 X 3 no tempo regulamentar, levou a partida para a prorrogação, e venceu nos penaltys por 4 X 2. O treme vinha de um empate de zero a zero com o Açiteua. Os dois times fizeram boa campanha, superando seus mais temidos adversários, para além dos esforços que diretores, atletas e comunidades fazem para garantir a participação da equipe na competição.


Bragantino - O Bragantino Clube foi apanhado desprevenido, num domingo a noite (8 de juho), às vésperas de um dos jogos mais importante da história da categoria de base, com os atletas tendo sido desalojados da EFAC. O clube chegou a postar no seu site a seguinte pergunta formulada pelo seu atual presidente, Hadson Nery: “Será que o Prefeito não viu antes que não teria recurso para nos ajudar, será que só dois dias antes de vencer o compromisso assumido com a gente que deu pra ver que não teria como ajudar o Bragantino?”


Apesar disso, o clube teve uma inédita participação na segunda fase do campeonato paraense Sub-20, chegando a alcançar, no dia 9 de junho, um empate (2 x 2) com sabor de vitória diante do Castanhal, de quem, afinal, perdeu, na segunda partida, no dia 13 de junho, pelo placar de 4 X 1, tendo sido eliminado da competição. Os dois jogos foram realizados em castanhal, por determinação da Federação Paraense de Futebol, FPF, fato que prejudicou o clube, que não jogou na sua própria casa nesta fase.


Projeto - Com o foco no futebol profissional e nas categorias de base, Bragantino Clube do Pará lançou projeto de profissionalização que tem como base o conceito de clube-empresa. A nova gestão (2014/2016) do tubarão é formada por Hadson Nery (Presidente), Rodrigo Bessa (Vice presidente), Diretoria Executiva: Paulo Emilio Ferreira Correa, José Valério da silva Monteiro, Marcel André Braum Sarmento, Direção de Marketing: Hélio Dória Jr, Empresa gestora: Israel Athayde, Pedro Oliveira (Evox Sport). E o novo treinador da equipe é Leandro Rodrigues.


O principal objetivo da empresa gestora do clube, de acordo com o presidente do clube, Hadson Nery, é a instalação da Academia Bragantina de Futebol. Enquanto isso, o Bragantino, que se prepara para a disputa do sub-17 e a partir daí garantir uma vaga para disputar a taça cidade de são Paulo, segue trabalhando visando o campeonato profissional paraense, sob o comando do treinador Leandro Rodrigues.


TEXTO © TRIBUNA DO SALGADO / ARTE © PAULO EMMANUEL
Tecnologia do Blogger.